Ouvir e Praticar! (Tg 1.22)


Quando lemos as epistolas e os evangelhos no Novo Testamento, precisamos compreender que era inicio da atuação da igreja cristã após a morte e ressurreição de Jesus. Após a morte e a ressurreição de Jesus muitas identidades foram dadas a Cristo. Uma dessas identidades foi cunhada pelo gnosticismo, uma corrente filosófica que destaca Jesus como sendo o espírito da gnose, ou seja, o conhecimento que salva. Dessa forma é preciso conhecer, saber e ser sábio.


Crer e praticar é indiferente para o gnosticismo.


Para os gnósticos, saber, conhecer e ser sábio é sinal de salvação e não há nada que te impeça de fazer isso ou aquilo, assim, a prática se torna obsoleta.


Tiago escreve sua carta para cristãos dispersos pelos muitos lugares do império romano. Estando dispersos e sendo perseguidos, seria fácil para qualquer um deles incorrer na filosofia gnóstica e assim se afastar da prática do ouvir a fazer o que ouviam. Não há fé sem obras.


Na época, toda e qualquer exploração, corrupção, injustiça, violência e crueldade era sustentado pela filosofia gnóstica, pois não era necessária a prática, mas tão somente conhecer, saber e ser sábio.


Tiago é uma epistola diferente e por isso muito se têm falado sobre ela e muitos a tem até ignorado. Essa carta começa e termina com exortação. É uma carta desafiadora, pois incomoda a quem lê e põe os “pingos em cima dos is” na questão prática da fé.


Tiago incomoda o cristão, pois não o deixa se acomodar. “...não sejam apenas ouvintes dessa mensagem, mas a ponham em prática” (Tg 1.22).


No capítulo 1, o apostolo Tiago enumera três advertências contra o engano (Tg 1.16,22,26). Para não ser enganado precisamos nascer de novo pela Palavra da verdade (Tg 1.18). Diante dessa Palavra duas atitudes são necessárias. Primeiro: ouvir atentamente (Tg 1.19) e, segundo: praticar o que se está ouvindo (Tg 1.22).


É preciso realçar que Jesus caracteriza as pessoas que ouvem e não praticam o que ouvem como sendo imprudentes (Mt 7.24) e o apostolo João classifica os ouvintes e não praticantes como anticristos (1Jo 4.20-21). O evangelho de João foi escrito com o objetivo de que as pessoas creiam e sejam salvas (Jo 20.30-31) e todo aquele que crê vive na prática do amor (1Jo 4.10).


O Novo Testamento traz uma gama de textos bíblicos sobre a necessidade do ouvir e praticar a Palavra. Sem ouvir a Palavra não haverá fé e sem a fé não há prática que agrade a Deus (Hb 11.6). Jesus disse que não basta conhecer é preciso praticar (Jo 13.17). Quem não pratica a Palavra de Deus constrói sua casa na areia (Mt 7.24-27).


Qual motivo para que nossa prática seja coerente com nosso ouvir? O bem do outro. Nesse mundo semianalfabeto, ou seja, em que as pessoas não compreendem o que leem ou que nada leem, o cristão é a Bíblia que muitos estão lendo. Nesse sentido querido irmão e irmã em Jesus, tão importante quanto vir no templo ouvir a Palavra é sair e praticar essa Palavra.


Como você chegou aqui na igreja? Está aqui de boa vontade? Muitas vezes o cansaço é tanto que as pessoas não conseguem prestar atenção! Outras vezes, as preocupações são tantas que tudo o que é pregado nem entra por um ouvido e sai pelo outro, pois a palavra nem chega.


O ouvir se revela na pratica. Jesus disse: “As ovelhas reconhecem a sua voz quando ele as chama pelo nome, e ele as leva para fora do curral” (Jo 10.3). Já por muitas vezes destaquei a vocês que nada deveria ser mais importante do que prestar atenção na pregação, pois, a pregação a respeito de Cristo me dá e fortalece a fé (Rm 10.17) e por outro lado, essa pregação, a fé, me leva a ação desejada por Jesus. Não adianta ser um cristão morto na igreja, ou seja, só de corpo presente. É preciso estar atento ao ouvir para assim praticar, afinal, é promessa de Deus: “...a minha palavra não volta para mim sem nada, mas faz o que me agrada fazer e realiza tudo o que eu prometo” (Is 55.11).


Você já observou o quanto se carece de praticantes? Pessoas dão ideias, tomam iniciativas, mas, na hora de realizar, praticar, poucos arregaçam as mangas e de fato realizam.


Fico analisando e refletindo no poder maravilhoso da Palavra de Deus. Se apenas poucos praticam e grandes coisas são realizadas, imagine se 100% dos que ouvem praticassem?


“...não sejam apenas ouvintes dessa mensagem, mas a ponham em prática” (Tg 1.22).


Cuidado com os enganos, e um deles é ser apenas ouvinte e não praticante.




Rev. Edson Ronaldo Tressmann

19 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo