A voz da consciência!


Dia 29 de agosto é dia em que a igreja cristã lembra-se do martírio de João Batista.


No calendário litúrgico esta rememoração iniciou na França, no século V. A origem da mesma foi a construção de uma igreja em Sebaste, na Samaria, sobre o local indicado como o do túmulo de são João Batista. E também, conforme a tradição, diz-se que o martírio ocorreu no dia 29 de agosto, um ano antes da Paixão de Jesus.


A respeito de João Batista, Jesus disse: “dentre os nascidos de mulher, nenhum foi maior que João Batista” (Lc 7.28).


Convém refletir a respeito de João Batista que condenou o pecado e denunciou o adultério do rei Herodes Antipas que vivia na imoralidade com sua cunhada Herodias. A ousadia do profeta despertou a ira de Herodes, que imediatamente mandou prendê-lo, até que, durante uma festa no palácio, a filha de Herodias, chamada Salomé, instigada ardilosamente pela mãe, dançou para o rei e seus convidados. Sua dança, exuberância e espetáculo despertou no rei o desejo de dar a ela o que quisesse. E, o inimigo aproveitou para calar a voz da verdade e a cabeça de João Batista foi pedida em lugar de qualquer riqueza.


O mal se corta pela raiz e a verdade se corta a cabeça!


O martírio por decapitação de João Batista nos chegou narrado através do evangelho de Marcos (Mc 6.14-29). João Batista morreu em paz, mas Herodes viveu atormentado pela consciência. Herodes estava com sua consciência atormentada e não sabia como se livrar dela.


Adolf Pohl escreveu que nada é mais perigoso que uma consciência pesada sem arrependimento.


Quando Herodes ouvia João Batista falar “ficava sem saber o que fazer, mas mesmo assim gostava de escutá-lo” (Mc 6.20), ou seja, não sabia se abandonava o pecado ou permanecia no mesmo. E, quando teve oportunidade, a voz de Herodias (do pecado) falou mais alto que a voz da verdade que “gostava de escutar” e lhe condenava seu pecado.


João Batista era a voz no caminho do pecado de Herodes. E, a pecadora Herodias resolveu a situação calando essa voz. E agora, como calar a voz da consciência que acusa?


A consciência pesada e culpada o fez pensar que João Batista ressuscitou para perturbá-lo. Herodes ouviu João Batista em suas pregações e agora ouve sobre Jesus e a consciência que o acusa não o leva ao arrependimento. Meses depois, Jesus o chama de raposa e quando estava sendo julgado, Jesus esteve com Herodes face a face, mas Herodes zombou de Jesus. Duas oportunidades e nenhum proveito.


Herodes foi alguém que ouviu João Batista falar e agora ouve um “zum-zum” a respeito de Jesus e assim como ficou confuso diante da pregação de João Batista, fica confuso acerca de Jesus.


Quando a consciência acusa também ficamos confusos sobre quem é Jesus! Será que perdoa meu pecado?


Herodes estava tão determinado a continuar na prática do pecado que tapou os ouvidos à voz da verdade e silenciou o profeta por causa da voz do pecado e desesperadamente não consegue silenciar a voz da consciência que o acusa.


Você é uma pessoa consciente? Tem consciência do seu pecado?


A consciência ajuda a distinguir entre o certo e o errado. Apesar de todas as pessoas terem consciência, a mesma está distorcida pelo pecado e por isso, precisa ser guiada por Deus, pela sua Palavra. João Batista disse que o machado está pronto para cortar as árvores pela raiz (Mt 3.10).


Não perca a oportunidade de arrependimento! Talvez os pecadores do mundo, cujos escândalos deploramos se convertam e nos precedam no céu. Jesus disse: “os últimos serão primeiros e os primeiros os ultimos” (Lc 13.30) e recordemos dos ninivitas que ouviram o profeta Jonas e se arrependeram (Lc 11.30).


Todos tem consciência! A consciência mostra que mesmo quem não conhece a Deus, conhece as leis naturais de Deus (Rm 2.14-15). A consciência tanto acusa como defende uma pessoa.


O pecado deixa a consciência pesada, trazendo sentimentos de culpa e ansiedade. Jesus levou o castigo de todos os pecados na cruz (Hb 9.28; 1Pe 3.18). Quem se arrepende de seus pecados não está mais debaixo de condenação: “Jesus Cristo ofereceu só um sacrifício para tirar pecados, uma oferta que vale para sempre, e depois sentou-se do lado direito de Deus” (Hb 10.12), por isso, “cheguemos perto de Deus com um coração sincero e uma fé firme, com a consciência limpa das nossas culpas e com o corpo lavado com água pura. (Hb 10.22) Amém.





Rev. Edson Ronaldo Tressmann

16 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo