504 anos de Reforma. VIVA!


É dia de olhar para trás e agradecer. Sim! Agradecer pelos esforços daqueles que tanto fizeram pela causa do evangelho redescoberto. Esse evangelho sempre esteve na Bíblia. Mas, essa verdade foi enclausurada pelo sistema aristotélico adotado pela igreja de então.


Deus moveu homens a agirem pela causa da redescoberta do evangelho, afinal, “...Deus amou o mundo tanto, que deu seu único Filho, para que todo aquele que nele crer não morra, mas tenha a vida eterna” (Jo 3.16). O apostolo Paulo questiona “...como poderão crer, se não ouvirem a mensagem?” (Rm 10.14).


Observe que não é possível ser salvo sem crer. E não há como crer sem a mensagem do evangelho.


Deus sempre levantou homens e mulheres para que a mensagem do evangelho chegasse às pessoas. Assim, homens e mulheres serviram com suas vidas a causa do evangelho. Homens e mulheres doaram bens para que a causa do evangelho fosse adiante. Homens e mulheres usaram seus dons para a causa do evangelho. Por isso, você, tem a oportunidade de ouvir o evangelho.


Celebrar a Reforma é olhar para o passado e agradecer. Afinal, no passado muitas pessoas com nome ou anônimas, serviram, ofertaram e usaram seus dons, e isso nos permitiu e permite ouvir o evangelho no presente.


Celebrar a Reforma é olhar para o presente e agradecer. Se ainda há possibilidade de ouvir a verdade e por essa verdade ser liberto da condenação eterna é porque ainda hoje milhares de pessoas servem, ofertam e usam seus dons.


Celebrar a Reforma é olhar para o presente futuro e refletir. Apesar de muitas pessoas servirem, ofertarem e usarem seus dons, se continuar como está, o que será das futuras gerações? Elas crerão? Elas ouvirão o evangelho? Serão libertas pela verdade? Serão discípulos de Jesus?


Infelizmente, e isso me preocupa, é a visão empresarial e até política da igreja. Empresarial no sentido de buscar resultados e se eles não vierem, culpa-se o pastor e o demite ou força-se uma demissão. A Palavra de Deus anuncia que não importa nem o que planta nem o que rega (1Co 3.7), ou seja, é preciso plantar e regar e esperar em Deus que dá o crescimento e não sabemos a hora, mas virá colher. A visão política é tão somente aquela do beneficio pessoal. A igreja com pastor e membros apenas são uteis quando servem para os meus propósitos. Pessoas que não estão nem aí para nada, mas, quando nasce o bebê, corre a porta da casa pastoral ou de alguém da diretoria. Quando alguém está enfermo a mesma coisa... e quando morre um ente querido do conhecido do meu conhecido ... Graças a Deus que a igreja ainda escuta o apostolo: “... Que tudo seja feito para o crescimento espiritual da igreja” (1Co 14.7).


Queridos!!!!!!


Criticamos outros de idolatria, mas, desculpem-me a sinceridade. Somos tão idolatras quanto aqueles que criticamos. Parece que se não tiver culto da Reforma, estamos cometendo um pecado grosseiro. O espírito da Reforma não é apenas a celebração do dia. O espírito da Reforma é doar-se pelo evangelho, ou melhor, ser provado pelas Escrituras. É ser impactado pela verdade. É atuar, disposto a dar a vida pela verdade. E essas coisas não estão apenas no dia 31 de outubro. Elas fazem parte do dia-a-dia daquele que se diz luterano.


Numa carta para o papa Leão X, Martinho Lutero assinou como Martinus Eleutheruis, ou seja, Martinho o liberto.


A verdade do evangelho que libertou Lutero (Eleutherius) o fez doar-se completamente. Viveu recluso no Castelo de Watburgo para não ser morto como um cachorro qualquer. Trabalhou arduamente na causa da tradução da Bíblia. Pregou constantemente o evangelho.


Além de Lutero, muitos outros eleutherius, ou seja, pessoas libertas pelo evangelho doaram suas vidas, posses, dons para que o evangelho fosse sendo pregado e pessoas libertadas.


A julgar pelo passado, é dia de agradecer. A julgar pelo presente é dia de agradecer. A olhar para o presente futuro é dia de refletir. O que eu, eleutherius (liberto) estou disposto a fazer pela verdade libertadora? As futuras gerações dependem disso. Nossos filhos e netos precisam da nossa liberdade pela verdade do evangelho e ação pela verdade do evangelho para que sejam livres.


Se vocês continuarem a obedecer aos meus ensinamentos, serão, de fato, meus discípulos e conhecerão a verdade, e a verdade os libertará (Jo 8.31-32).


Jesus disse essas palavras para pessoas que haviam passado a crer nele. Jesus ensinou e ensinava e suas palavras levaram muitos à fé. Fariseus e escribas distorciam o que Jesus ensinava e colocavam em risco a vida de fé de muitas pessoas fazendo-as se afastarem do evangelho libertador.


A verdade que liberta está a disposição para libertar pessoas. Agradeçamos a Deus por sermos libertos e servirmos, ofertarmos e usar nossos dons por causa dessa liberdade.

Se vocês continuarem a obedecer aos meus ensinamentos, serão, de fato, meus discípulos e conhecerão a verdade, e a verdade os libertará (Jo 8.31-32). Amém!




Rev. Edson Ronaldo Tressamm