Uma ave chamada Fênix

Ave Fênix é um clássico da mitologia grega. Tal mitologia atravessa culturas e fronteiras, a ave mítica possui uma representação máxima de uma existência eterna. Sua característica principal é que ela renasce das cinzas, sim, ao morrer, conforme o mito, ela renasce das próprias cinzas. Porque Fênix é uma ave de fogo, suas penas são de cores avermelhadas e levemente roxas, com um dourado bastante brilhante. Uma outra característica da ave é que ela é capaz de pressentir o seu fim, sua morte. Fênix transita livremente por entre o viver o morrer, suas cinzas não indicam o fim, mas um novo recomeço. Ela é uma ave de porte pequeno, mas muito forte, capaz de carregar animais maiores do que ela.

O mito da Fênix carrega um simbolismo bastante marcante, ou seja, ele fala sobre a imortalidade, tanto que a ave, de acordo com os gregos, viveria entre quinhentos e noventa e sete mil anos. Uma ave que desfruta dos prazeres do tempo com muita tranquilidade. Claro, olhar para o mito é perceber o peso das ânsias humanas que estão nele: morte, poder, força, beleza, juventude e assim por diante. É uma representação cultural bastante marcante, a figura mítica transmite uma mensagem de poder máximo. A representação da Fênix está em várias culturas, não somente dos gregos: Egito, China, etc. A poderosa ave Fênix voa conforme os desejos e anseios humanos. A imaginação dos homens é o morrer e viver da ave.

Fênix tem muito haver com as sociedades ocidentais, os paradigmas do consumismo que elas carregam: poder, beleza, juventude, o escanteio da morte, riqueza e por aí vai. Os discursos tendenciosos que norteiam os padrões sociais tencionam o indivíduo a viver como uma ave Fênix, em outras palavras, como um ser eterno e cheio de qualidades. Mas sabemos que não é assim, são apenas felicidades falsas que foram instituídas pela sociedade. A estrutura social é como uma grande Fênix que ampara e desampara os seus filhotes, cidadãos, de acordo com a sua vontade.

São as molduras do pecado, como está escrito na Bíblia: "Pois todos pecaram e estão destituídos da glória de Deus" (Rm 3.23). Enfim, leitores, somos quedados, destituídos da graça de Deus. O ser humano prefere mitos em vez da verdade, quer dizer, Jesus Cristo. "Pois o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor" (Rm 6.23). Jesus é a fonte de perdão e salvação que o ser humano tanto precisa. Não existe outra verdade, as outras verdades são apenas transitórias e pífias. Jesus é o Deus vivo que acolheu à humanidade pecadora por meio da dolorosa cruz. Sim, leitores, o Filho de Deus é o nosso suficiente salvador, o Deus que retirou o homem da morte, da destruição e do diabo. O mundo anuncia uma ave chamada Fênix, mas o cristão possui o mais valioso tesouro: o Deus que ressuscitou, a verdadeira Páscoa, Jesus.




Rev Artur Charczuk

10 visualizações0 comentário