Receba Mensagens Cristãs Diariamente no Whatsapp. Adicione e peça (53) 99901-4822

© 2020 by pensenissoteologica.com. Todos os direitos reservados

 
Buscar
  • PENSE NISSO Teológica

Os dois caminhos

É o primeiro salmo dos 149 escritos na bíblia, é o salmo introdutório. O seu autor é desconhecido, mas ao que tudo indica é que ele foi um grande estudioso da Lei de Deus. O assunto do salmo 1 está relacionado com o título proposto acima, ou seja, o salmista aborda sobre os dois caminhos. Porque, biblicamente falando, só existem dois caminhos diante do ser humano, não existem mais caminhos além dos dois citados na Palavra de Deus. Com isso, existe o caminho do justo e do ímpio. O caminho do justo é tratado nos três primeiros versículos, os demais abordam o tema do ímpio. Um salmo curto? Até pode ser, mas o seu conteúdo é extenso e riquíssimo. Os seus seis versículos tratam das bases que são levadas pelos demais salmos, o caminho da justiça e o caminho da impiedade.


E é intrigante ler o primeiro versículo: “Bem – aventurado é aquele que não anda no conselho dos ímpios, não se detém no caminho dos pecadores.” Quando lemos o hebraico, pois o hebraico é a língua original do Antigo Testamento, bem- aventurado significa feliz. Feliz é aquele que não anda no conselho dos ímpios, não se detém no caminho dos pecadores, percebem como o versículo se amplia, é um estado de felicidade em Deus. Um pouco mais do versículo primeiro: “Não anda no conselho dos ímpios”, não vai atrás das vãs filosofias que o mundo dos homens oferece, com uma salvação entre aspas e dependente do tempo; “nem se assenta roda dos escarnecedores,” isto é, daqueles que se vangloriam. Feliz é aquele que depende de Deus, que tem sua vida cuidada pelo Criador. O prazer, a bem- aventurança, está em meditar na Lei do Senhor. E na Lei medita de dia e de noite. Perceba, amigo leitor (a), que o salmista só tinha acesso ao Antigo Testamento, ainda não havia o Novo Testamento. Então como nós, cristãos da atualidade, somos abençoados por Deus, pois temos em nossas mãos o Novo Testamento, a promessa cumprida.


E o justo é como a árvore que fica próxima de uma corrente de água, que, no devido tempo, dá o seu fruto. A árvore retira os nutrientes necessários para ficar forte, rija e esverdeada para ter uma vida longa e cheia de frutos. Assim também é com o justo, Deus concede para ele os nutrientes necessários para uma vida alegre e com realizações. É importante lembrar de Jesus, que certa vez falou sobre a fonte de água viva, assim ele é para com a humanidade, com cada um de nós, inesgotável em seu amor. E no tempo certo, a árvore frutifica e produz folhas que não murcham, como o cristão que frutifica na Palavra, ele se torna instrumento de Deus para que outros possam ver as maravilhosas manifestações do Pai. Já os pensamentos do mundo murcham, pois suas árvores estão plantadas em águas lodosas, misturadas com todo o tipo de substâncias que não são de Deus.


E assim é o caminho do ímpio: palha que o vento dispersa. A palha que é retirada de sua origem pelo agricultor, as palhas de um grão, e, com isso, o vento ou uma brisa a leva. Sendo assim, as palhas são ajuntadas no chão e queimadas, assim acontece com o ímpio, ele se afasta de Deus e é queimado no fogo da condenação. Pois o Senhor conhece o caminho dos justos, mas os ímpios sofrerão.


Sim, o ímpio sofrerá, o homem sofrerá se não houver arrependimento em seu coração. Porque, queridos (as) leitores (as), todos nós somos participantes dos últimos três versículos, não existe justiça em nós, estamos no caminho da impiedade. Mas existe alguém que está no caminho dos justos, que é a própria justiça, Jesus Cristo. Ele é o próprio caminho dos justos, a justiça e o juízo, ele é tudo que o ser humano tanto necessita. Justiça que é maravilhosa, que é externa, que não vem do ser humano. Cristo que nos oferta o perdão, salvação e vida em abundância, Jesus é o refrigério para nossas vidas tão doridas pelo pecado e as artimanhas do diabo. Depender de Jesus é a bem- aventurança plena, palpável, é um estado de felicidade permanente. O nosso suficiente salvador Jesus, sim, ele é a fonte do caminho dos justos.


Depender de Jesus é ser justo em Jesus e para Jesus, quanta felicidade! Feliz é aquele que depende de nosso Salvador, o único e verdadeiro Deus e Senhor, eis o caminho da felicidade única e incomparável. Como eu havia falado, amigo (a) leitor (a): o conteúdo é extenso, mas tudo isso acontece porque ele aponta para a verdade, para Jesus Cristo.



Rev. Artur Charczuk

19 visualizações