Buscar
  • PENSE NISSO Teológica

O mundo é dos culpados?

Estou lendo um livro maravilhoso, amigo leitor, ele se chama: "O ser humano 10 D," da autora Helda Elaine, a leitura é maravilhosa. A escritora tece sobre o ser humano e suas escolhas e o mais interessante é que ela escreveu o livro a partir de suas experiências de vida, isto é, situações reais. No entanto, lá pelo capítulo sexto, a autora fala sobre o empreender com amor, Helda é palestrante e realiza palestras em empresas, mas assim ela escreveu: "Empreender é um ato de amor, antes de ser um ato de negócio. Sem ninguém para amar, qualquer empreendimento é um ato arriscado," pensei comigo: "na mosca!" Se você quiser realizar um empreendimento, você, primeiramente, tem que amar o que está fazendo.


Mas não apenas amar o projeto, mas você precisa amar tudo aquilo que envolve ele: compras, vendas, o material que é adquirido, o material que é vendido, contratos, pessoas que estão contigo, ah! Vamos freiar aqui, pois estamos falando em pessoas, seres que sentem e pensam. Todo o empreendimento deve ter muito amor para sua realização, mas amar as pessoas que estão juntas na empreitada é essencial. O empreendedor não deve esperar uma fôrma pronta de pessoas, ou seja, ele é assim e vai para aquele setor, não, mas empreender não é apenas no material, mas também é no humano. É incentivar, auxiliar, aconselhar, dar dicas, isto é, o empreendedor é aquele que vai até o seu pessoal e o acompanha. Não existe cem por cento de pessoas capacitadas, mas o que existe são pessoas em contínua capacitação. E o amor é o instrumento essencial para tal arte.


Se o amor não é colocado na corrida da vida, o que resta é a solidão, o desconforto com as coisas e um empreendimento pesado como uma pedra. E o sentimento que resta é o culpar: fulano não deu certo, cicrano é o culpado, beltrano não foi satisfatório, sem o amor, tudo fica um tanto mecanizado e frio. Tais reflexos também podem aparecer na igreja: não é uma boa diretoria, o pastor não é suficientemente bom, vamos trocar, a igreja não rendeu o que esperávamos, dentro da igreja, tais pensamentos produzem discursos um tanto perigosos. Os mesmos produzem culpados e mais culpados, é a tendência do ser humano. Culpamos para não nos culpar, enfim, é o fruto do pecado, é a ausência do amor. No entanto, o verdadeiro amor ou certeza das coisas não está no ser humano, mas em Deus, em Cristo Jesus. O amor humano é contraditório, cai nas tentações do maniqueísmo. Sendo assim, o ser humano constitui um mundo dos culpados, tudo é a culpa do outro, por isso, como falam os que culpam: "estou saindo fora." Mas Jesus foi totalmente o inverso, ou seja, ele não deixou os culpados, no entanto ele os abraçou , os acolheu em pura compaixão e misericórdia. A caminhada de Jesus foi toda moldada em abraçar os ditos culpados, Jesus abraçou os culpados, Jesus nos abraçou e continua nos abraçando. Do alto da dor da cruz, Jesus abraçou a culpa de um ladrão, sem ao menos saber o que ele tinha feito. Jesus deu perdão para ele, Jesus concede também para nós. Meus irmãos: não é uma questão de achar culpados, mas o essencial é sabermos que existe um Deus que acolhe nossas culpas, Jesus Cristo. Aí está a essência do amor genuíno, de um Deus perdoador, compassivo e de grande misericórdia. O mundo é dos culpados? Não, mas é daqueles que precisam de perdão, perdão em Cristo. Tudo deve ser feito com amor, tudo deve ser feito com Jesus Cristo.



Rev. Artur Charczuk

41 visualizações

Receba Mensagens Cristãs Diariamente no Whatsapp. Adicione e peça (53) 99901-4822

© 2020 by pensenissoteologica.com. Todos os direitos reservados