Lei é lei e precisa ser cumprida


A Igreja Luterana é uma igreja evangélica. Ou seja, uma igreja que fala do Evangelho. Que proclama o Evangelho.


Em termos bem simples, Lei e Evangelho são:


Lei, aquilo que Deus exige de nós.


Evangelho, aquilo que Deus fez e faz por e para nós.


Nós somos parte de uma igreja que não se envergonha, mas dá graças a Deus pelo evangelho, como diz Rm 1.16-17: “Pois não me envergonho do evangelho, porque é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê, primeiro do judeu e também do grego; visto que a justiça de Deus se revela no evangelho, de fé em fé, como está escrito: O justo viverá por fé.”


O justo é aquele que crê em Jesus Cristo. Não existe uma justiça própria, mas nossa justiça diante de Deus vem da fé em Jesus Cristo.


Nós não nos envergonhamos do evangelho.


Proclamamos. Vivemos o evangelho. E o evangelho fala que Deus quer salvar a todos. A mim e a todos que ainda estão longe de Deus.


De tanto ressaltar o Evangelho parece que esquecemos que Deus também nos deixou sua lei.


Especialmente expressa nos 10 mandamentos.


Ouvimos tanto que Jesus Salva gratuitamente, que podemos confundir, achando que podemos viver de qualquer jeito e Deus ainda nos perdoará. Isto é confundir Lei e Evangelho.


O teólogo C. F. W. Walther, em seu livro Lei e Evangelho, diz:

“Distinguir devidamente entre lei e evangelho é a arte cristã e teológica mais difícil e elevada, a qual só o Espírito Santo ensina na escola da experiência.”


Se por um lado a Lei não salva ninguém, ninguém será salvo sem cumprir a Lei de Deus.


Vejamos:


Se diligentemente ouvirdes a minha voz e guardardes a minha aliança, então, sereis a minha propriedade peculiar dentre todos os povos; porque toda a terra é minha; vós me sereis reino de sacerdotes e nação santa. (Êx 19.5-6)


Se ouvirmos a voz... Ou seja, se dermos atenção ao que o Senhor espera de nós. Deus nos salvou. Nos tirou do caminho da condenação e nos guia por esse caminho. Mas nós, se nos afastamos de Deus, estamos nos lançando novamente na condenação. E o meio de não ir para a condenação é viver sob a guarda dos mandamentos de nosso Deus. Os mandamentos são nossos protetores.


Somos livres para seguir os mandamentos.


João diz ainda:


Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda, esse é o que me ama; e aquele que me ama será amado por meu Pai, e eu também o amarei e me manifestarei a ele. (Jo 8.21)


De nada adianta dizer que ama a Deus e não estar na sua presença.


De nada adianta dizer que ama a Deus e viver em pecado.


Isso é engano e a pessoa que viver assim, esta está condenada e nem sabe. Está se enganando, achando que no final, independente de como eu viva, o Senhor me dará a salvação...


Jesus morreu não para nós nos lançarmos novamente no pecado. Ele morreu para nos libertar do pecado e vivermos uma nova vida.


O Espírito Santo nos conduz por esse caminho de vida, que um dia terminará na vida eterna.


João ainda nos lembra:


Não vos deixarei órfãos (Jo 14.18)