Receba Mensagens Cristãs Diariamente no Whatsapp. Adicione e peça (53) 99901-4822

© 2020 by pensenissoteologica.com. Todos os direitos reservados

 
Buscar
  • PENSE NISSO Teológica

Diminuir nem acrescentar

Atualizado: 24 de Jan de 2019

Certo homem, levando a sua esposa para dar a luz uma criança, se sentiu na necessidade de passar um farol fechado, se certificando que não exporia em perigo sua vida ou a de outrem, mas, um policial estava atento naquele local e interceptando o cidadão, o autuou. O homem quis justificar sua ação apresentando a emergência e que não havia colocado a vida de ninguém em risco. Ao que o policial respondeu: a lei é clara e não abre brechas nem exceções, eu compreendo a sua situação, mas sou um profissional que julga segundo a lei, e não segundo o que eu acho.

Não adiantava àquele homem argumentar, pois, o policial não poderia agir fora da lei em favor daquele homem.

As exigências de Deus, nos Dez Mandamentos ficam sem resposta de nossa parte, e não temos nada para argumentar. A lei mostra o que o ser humano deveria ser em relação a Deus e ao próximo.

Antes de adentrar na terra prometida, Moisés diz ao povo que o futuro, será um futuro vindouro, se os mesmos estiverem atentos a todo estatuto divino. E o estatuto divino, nada mais é do que a sua Palavra. Todo estatuto divino contém os Dez Mandamentos, o Livro da Aliança das Ordenanças Civis e Religiosas, que detalham o significado dos Dez Mandamentos, e também no estatuto divino se encontra as leis cerimoniais.

A semelhança daquele homem que ultrapassou o sinal vermelho, não adianta querer nos justificar. Jesus disse: “Não penseis que vim revogar a lei ou os profetas; não vim para revogar, vim para cumprir” (Mt 5.17). Jesus criticava e rejeitava as ordenanças humanas e as obrigações impostas para tradição religiosa. Jesus disse: “Negligenciando o mandamento de Deus, guardais a tradição dos homens. E disse ainda: jeitosamente rejetais o preceito de Deus para guardardes a vossa própria tradição. ...” (Mc 7.8-13).

Deus deu a Lei para seu povo (Dt 4.8; Lv 26.46; Sl 147.19-20; Rm 9.4).

O povo de Deus, Israel, tem a alegria de saber que era o único povo que tinha sua legislação, jurisdição e jurisprudência na pessoa do Deus vivo.

E a lei de Deus é lâmpada, instrução, luz e caminho da vida (Pv 6.23).

Se a lei de Deus traz toda as suas precauções, a lei de Deus me coloca diante do problema do pecado. Problema esse que eu não posso resolver sozinho.

A lei de Deus é coisa séria, tanto que, “vindo, porém a plenitude do tempo, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei, para resgatar os que estavam sob a lei ...” (Gl 4.4-5). Por causa da lei de Deus, é que Jesus foi condenado à morte. Jesus veio cumprir a lei. Em Jesus temos o fim da lei. Jesus é a justiça de Deus. (Rm 10.4). Ele nos reconcilia com o Pai.

Moisés estava ressaltando ao povo que o futuro está nas mãos de Deus e com Deus esse futuro será sempre abençoado.

A mais ou menos um ano atrás ouvi algumas mulheres conversando sobre futuro. Uma delas ressaltava que não havia futuro. Há futuro? Sim. O futuro é eterno. O futuro nessa vida é à tarde e à noite e o amanhã. O futuro certo é a eternidade, a terra prometida. É preciso viver o hoje na certeza de que amanhã está garantido. Amém!



Rev. Edson Ronaldo Tressmann





1 visualização